terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

"O que é demais chega a não ter piada"

"O que é demais chega a não ter piada", afirmou uma das moradoras que mora perto da Escola Básica dos 1.º,2.º e 3.º ciclos de Francisco Barreto. Este problema já foi abordado anteriormente no nosso blogue, mas desde aí não obtivemos nenhuma resposta por parte da Escola para saber mais informações. Os moradores daquele sítio estão extremamente desiludidos com a falta de resposta em relação ao problema que já se prolonga a mais de um ano. Um senhor idoso que passava no local, com o nariz tapado, disse que está farto da situação e que o mau cheiro proveniente dos líquidos que é libertado da fossa provoca má disposição às pessoas. Estes líquidos que correm pela estrada abaixo, abrangendo uma grande área, afecta muitas casas também, visto que algumas pessoas que querem entrar dentro de casa têm de passar por cima daqueles líquidos. Existe também uma parte do caminho em que os líquidos provenientes da fossa atravessam a estrada e infiltra-se na levada.
O AP4 ambiente já tentou contactar algumas entidades para saber respostas, mas parece que ninguém está interessado em resolver o assunto. Se as entidades responsáveis se pusessem no lugar dos moradores, que têm aturado aquele problema durante muito tempo, talvez fizessem alguma coisa. A AP4 Ambiente vai tentar fazer uma reportagem vídeo para mostrar a gravidade da situação e entrevistar alguns moradores. Iremos tentar realizá-lo logo que possível. Esperemos que o problema se resolva brevemente.

4 comentários:

Fajã da Ovelha disse...

É lamentável que ainda não tenha sido feito nada em relação a esse problema que afecta os “raposeiros” como também quem lá passa, nomeadamente turistas pois lá passa a levada nova. Nos tormentos do linho trouxemos esse problema por diversas vezes a publico mas, não houve reacção nenhuma das entidades envolvidas.
Não podemos baixar os braços na luta contra a resolução do problema.

ap4 disse...

concordamos plenamente, ja recebemos muitas queixas de leitores. Quando tivemos no local vimos que a situação é mesmo lamentável. É uma pena qu nenhuma das entidades quer prestar declarações e prefere varrer o problemas para debaixo do tapete.

Dalila de Sá disse...

e caso para dizer que essa m* ja começa a enjoar. e que em dia de aulas nao ha quem consiga passar no caminho devido ao escorrimento das aguas da fossa que obviamente cheiram extremamente mal.
esta mais do que na altura de solucionar esse problema.

Anónimo disse...

Já contactaram as entidades responsáveis?! Duvido! Secretaria Regional do Equipamento Social? Secretaria Regional da Educação? Câmara Municipal da Calheta?
Já agora, quem julgam vocês que são as entidades responsáveis? Os professores que lá trabalham? O Conselho Executivo?
Acreditem que isso só se resolve em véspera de eleições...

 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios